O contribuição da Cooperação Sul-Sul aos

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

O Relatório da Cooperação Sul-Sul na Ibero-América 2018 inclui uma análise sobre o alinhamento da Cooperação Sul-Sul dos países ibero-americanos com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, para cada uma das modalidades consideradas no nosso espaço: CSS Bilateral, Triangular e CSS Regional.

A contribuição dos projetos de CSS aos ODS

A análise que se realiza relaciona cada um dos projetos de CSS com dois Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), um com caráter principal e outro secundário. Isto acontece, por um lado, para traduzir melhor a dimensão, complexidade e interligação existente na Agenda 2030; e, por outro lado, para poder captar melhor o caráter multissetorial e inclusivamente transversal de muitos projetos.

O gráfico apresenta os programas e projetos de CSS Bilateral, Triangular e Regional (no total 803) reunidos no relatório conforme a sua contribuição para o ODS principal. A sua observação sugere que (prima em cada ODS para ler):

ODS 3

Tal como tem vindo a ser habitual, o principal ODS para o qual a CSS na Ibero-América contribuiu foi o 3, relativo à Saúde e bem-estar. Alinharam-se com ele 128 programas e projetos de CSS. Uma parte correspondeu a iniciativas próprias do setor da saúde (entre outros, formação de profissionais da medicina, melhoria da qualidade dos serviços de saúde e regulamentação de medicamentos).

No entanto, e também no que respeita a este ODS, situaram-se iniciativas com outros perfis setoriais, como por exemplo, projetos que tiveram impacto na qualidade do ar (mais relacionados com o ambiente) e na segurança alimentar (mais próximos do setor Agropecuário).

ODS 9
null

73 projetos e programas alinharam-se com o ODS 11, relativo a Cidades e comunidades sustentáveis. Incluiu-se aqui a cooperação orientada para a gestão de desastres (especialmente na sua vertente mais preventiva e vinculada aos povoamentos humanos) e para uma maior sustentabilidade das cidades, bem como a que se orientou para a proteção do património cultural, quer material quer imaterial.

ODS 2

Em conformidade com relatórios anteriores, o segundo ODS no qual se enquadraram mais iniciativas de CSS foi o 2, Fome zero. Neste caso, houve 104 projetos e programas de cooperação orientados para melhorar a qualidade da alimentação, garantir a segurança alimentar e melhorar a produtividade e sustentabilidade da produção agrícola e dos processos industriais alimentares.

ODS 15,12,13,14
null

Finalmente, a importância do ambiente na CSS dos países ibero-americanos manifesta-se a partir de mais de uma centena de programas e projetos (111) que contribuíram, de forma agregada, para os ODS relativos à água e saneamento (ODS6), mudança do clima (ODS13), ecossistemas marinhos (ODS14) e terrestres (ODS15), e produção e consumo sustentável (ODS12).

ODS 16

Por sua vez, outros 104 projetos e programas alinharam-se com o ODS 16, relativo à Paz, Justiça e Instituições sólidas. Esta cooperação teve por objetivo melhorar as instituições públicas em aspetos, tais como a eficiência, transparência e gestão.

No entanto, sob esta rubrica coexistem perfis muito diversos, uma vez que para este ODS contribuíram iniciativas tão variadas como as que se relacionaram com a segurança (tráfico de bens culturais e de outros bens ilícitos), direitos humanos, construção da paz e proteção de menores, apenas para dar alguns exemplos.

A relação entre os diferentes ODS através da Cooperação Sul-Sul

O facto de se associarem dois ODS com cada um dos programas e projetos de Cooperação Sul-Sul permite uma melhor aproximação, por um lado, à forma como a CSS contribui para a consecução dos diferentes ODS, mas também, ao modo como, através dessa mesma CSS, os ODS estão ligados entre si.

Para ilustrar o atrás mencionado, elaborou-se um diagrama de cordas. Neste sentido, as linhas que o constituem a as suas ligações permitem visualizar, primeiro, a relação que se estabeleceu entre pares de ODS e, segundo, a que também se verificou entre um número concreto de programas e projetos e cada um desses pares de ODS. Desta forma, podemos observar que a ligação mais intensa se verificou entre:

ODS 2, 8
null

Os ODS 2 e 8 relativos à Fome zero e ao Crescimento económico, respetivamente. Entre os programas e projetos aqui incluídos, destacam-se os que se centraram no desenvolvimento do setor produtivo agrícola, tanto na melhoria da produtividade quando da sustentabilidade. Assim, estas iniciativas contribuíram, simultaneamente, quer para a erradicação da fome quer para o impulso dos setores produtivos.

ODS 2,3
null

Os ODS 2, relativo à fome zero e 3, relativo à saúde e bem-estar, foram o segundo par de objetivos que contaram com mais iniciativas. Isto demonstra a forte ligação entre o trabalho em matéria de nutrição (segurança alimentar, etc.) e os seus efeitos na melhoria da saúde.

ODS 8,9

Em terceiro lugar, encontraram-se os ODS 8 (relativo ao crescimento económico) e 9 (desenvolvimento industrial e inovação tecnológica). Em ambas as rubricas coincidiram iniciativas que procuraram desenvolver o setor industrial (por exemplo, através do fomento de cadeias de produção), melhorar a indústria alimentar e aplicar e criar desenvolvimentos tecnológicos.